Blog

A cor na identidade visual de sua empresa

30/11/2010 16:30

 

 

As cores são um elemento de extrema importância dentro de uma identidade visual. Elas comunicam e emocionam, além de transmitir conceitos juntamente com o símbolo e o logotipo de uma marca. São uma peça fundamental de identidade visual, e não devem ser escolhidas de forma aleatória, e sim após criteriosa pesquisa.

As cores tiveram por muito tempo apenas finalidades estéticas, mas graças aos estudos realizados por mestres da cor como Johannes Itten, Paul Klee, kandinsky entre outros, hoje podemos nos utilizar das funções e finalidades práticas da cor.

Lilian Reid nos mostra em seu livro: “Cor no Processo Criativo” que cada pessoa tem uma paleta de cores preferenciais, que compõem o seu timbre subjetivo. Ao utilizar os princípios subjetivos para a criação, o designer cria significados e usos para as cores baseados em seus gostos pessoais, que identificam seu temperamento e perfil psicológico. Já a aplicação de princípios objetivos tem por finalidade o uso das cores de forma conceituada, através de análise de contrastes, formas e reações psicofisiológicas de sua interpretação e assimilação.

 

Também é necessário compreender que fatores culturais interferem no modo como sentimos e interpretamos as cores, por exemplo, em nossa cultura ocidental, a cor preta está associada à morte, luto, causando até mesmo desconforto em algumas pessoas (por exemplo em um quarto com paredes e teto pretos), mas em outro contexto (ainda em nossa cultura), o preto pode significar sofisticação e luxo, afinal, que mulher excluiría o vestido “pretinho básico” de seu guarda roupas?

É necessário “dar mais ouvidos” às cores em um projeto de identidade visual, pois não será apenas o fato de escolhermos uma “cor da moda” ou uma cor integrante do nosso timbre subjetivo que irá fazê-la funcionar em um projeto, é preciso utilizar as cores, e além das cores, os outros elementos participantes do processo de desenvolvimento de identidade visual como, formas, tipografia, posicionamento, conceituação, de maneira consciente, para que a mensagem final seja completa.

Um grande auxílio na importante escolha da cor para o logotipo de sua empresa, uniformes e outros elementos da identidade visual é o circulo cromático. Lillian Reid Nos apresenta o circulo com várias maneiras de relacionar as cores entre si, encontrando dessa maneira, diversas possibilidades de harmonias e contrastes entre elas.

 

 Alguns Links Interessantes sobre teoria da cor:

http://www.criarweb.com/artigos/teoria-da-cor-estudo-algumas-cores.html*

http://www.maltanet.com.br/portal/pesquisa/01_teoria_das_cores.htm*

http://mabsinto.files.wordpress.com/2010/01/aula-03-cor.pdf*

 

*Links visitados pela última vez em: 30/11/2010

 

 

 

Bibliografia utilizada:

COR NO PROCESSO CRIATIVO, A - 2ª EDIÇÃO / Lilian Ried Miller Barros, Senac São Paulo 2009

 

 

 

©Design Factory 2010

 

 

Uma Introdução ao Conceito de Design Gráfico

30/11/2010 16:16

O homem criou sua própria natureza, projetou cidades, prédios, ruas, tráfego de trânsito, e colocou estes projetos em prática. Hoje eles são implantados em inúmeras cidades ao redor do mundo, os prédios, os veículos, os objetos de uso cotidiano como roupas ou eletrodomésticos, tudo reproduzido em larga escala, posicionando o homem no centro da natureza urbana criada por ele, uma realidade viabilizada pela repetição.

 

O que você pensa ser mais provável acontecer? Você esquecer o seu telefone celular ao sair de casa, ou esquecer de molhar a planta que enfeita o seu quarto? O homem é acima de tudo um ser cultural, sente-se muito mais confortável com os itens Fornecidos por sua cultura, como os costumes, crenças, realizações, produções artísticas e intelectuais de seus ancestrais e contemporâneos, do que com o que foge dessa definição, ou seja, o que não foi produzido ou projetado por ele.

Segundo Wilton Azevedo no livro “O que é Design”(2005, pág. ), a palavra design significa projetar, compor visualmente ou colocar e prática um plano intencional. Ele ainda propõe a questão: Por que um pintor não pode ser considerado um designer? Afinal, ele tinha um plano antes de começar uma pintura, fez um esboço.

O pintor torna-se um designer quando pensa na reprodução de seus quadros, quando quer que sua pintura seja vista em cada canto do seu país ou do mundo em forma de pôster, por exemplo. O conceito de design tem uma ligação indissociável com o conceito de reprodução em massa, de cópia.

 

O designer gráfico surge com a necessidade que o homem tem de se comunicar, de passar seus conhecimentos para as próximas gerações. Foi apenas com o advento das técnicas de impressão e a impressão tipográfica que a página pôde ser pensada, projetada e diagramada. Surge então o design gráfico, que se refere ao material a ser impresso.

 

©Design Factory 2010

 

Promoção Design+Impressão

01/09/2010 01:17

 

Clique aqui para visualizar a imagem

©Design Factory 2010

Identidade Visual - Projeto Lar do Trigo (Chapecó - SC) / Logotipo

07/07/2010 13:55

Logotipo

 

A empresa “Lar do Trigo – Pães e Massas” produz diversos produtos caseiros, 100% naturais e com alto valor nutricional a partir do trigo. Entre seus produtos estão, pães, massas, tortéis e salgados em geral, uma de suas maiores vantagens competitivas está no fato de seus produtos não apresentarem aditivos químicos como corantes e conservantes, o que os tornam mais saudáveis e adequados à alimentação familiar.

Os principais públicos alvo do Lar do Trigo – Pães e Massas são o público direto (famílias) e supermercados.

----------------------------------------

 


Acima estão algumas imagens de referência retiradas da internet

 ---------------------------------------- 

 


Esta proposta foi desenvolvida para atender as necessidades expostas no briefing respondido pelo cliente e possui itens que representam os conceitos e mensagens pretendidos pelo empreendimento LAR DO TRIGO, pertencente a Sra. Claudete Beltrame.

O logotipo foi composto pela fonte KONTOR DISPLAY, que possui elementos que simbolizam seriedade e sofisticação (serifas, formas retas e alongadas) e ao mesmo tempo uma descontração, um ‘‘calor’’ (elementos soltos do ‘r’ e do ‘g’, terminais do ‘a’ e ‘g’). Também faz parte do logotipo 3 representações da semente do trigo.

A forma escolhida para conter o logotipo foi o círculo, dando uma idéia de medalha (prêmio) que é complementada pelos ramos de trigo estilizados ao redor da circunferência (como folhas de louro), denotando uma recompensa para grandes clientes como supermercados. Outros conceitos relacionados ao círculo são perfeição, estabilidade, proteção (lar, família), renovação, que indicam as características do LAR DO TRIGO que tem por finalidade conquistar os clientes diretos (famílias, donas de casa, etc.). Para conter o serviço oferecido pela empresa ‘pães e massas’, resolvemos optar pelo banner, que é muito utilizado pelas empresas do ramo, causando uma identificação do cliente com o estabelecimento.

 


As formas estilizadas e gestuais (que imitam os movimentos da mão humana) sugerem o formato de uma casa (lar, estrutura familiar) para dar a idéia do produto ‘caseiro’, da produção artesanal, mensagem transmitida através da colocação de uma saída de fumaça de um possível forno a lenha. Utilizamos a fonte LUCIDA HANDWRITING que é manuscrita e se enquadra perfeitamente com o estabelecimento (que é de base artesanal e familiar). Os ramos  de trigo logo a  baixo do nome do estabelecimento complementam a idéia de produtos fabricados a partir do trigo.

A cor escolhida foi a laranja, que é uma cor quente (sabendo-se que cores quentes incitam a fome), que se encaixa perfeitamente com os objetivos da marca e da empresa representada por ela.

 


 

O símbolo utilizado é de um ramo de trigo na palma de uma mão (ambos estilizados), para passar os conceitos de ‘cuidado’, ‘segurança’ e ‘família’, que promovem uma identificação do cliente com a empresa. A fonte utilizada foi a KONTOR DISPLAY, que denota seriedade, sofisticação (linhas retas e alongadas) e um traço de descontração, promovido por elementos soltos e orgânicos da fonte.

A cor escolhida foi a laranja, que é uma cor quente (sabendo-se que cores quentes incitam a fome), que se encaixa perfeitamente com os objetivos da marca e da empresa representada por ela.

 


 

Esta proposta foi composta baseada na idealização que se tem de uma casa (lar), que dá traz consigo os conceitos de ‘cuidado’, ‘segurança’, ‘família’, que tem por objetivo promover a identificação e familiaridade do cliente com o estabelecimento. O logotipo foi composto pela fonte KONTOR DISPLAY, que possui elementos que simbolizam seriedade e sofisticação (serifas, formas retas e alongadas) e ao mesmo tempo uma descontração, um ‘‘calor’’ (elementos soltos do ‘r’ e do ‘g’, terminais do ‘a’ e ‘g’) .

©Design Factory 2010